domingo, 5 de novembro de 2017

Cardeal Burke celebra Missa Pontifical em Fátima

No passado dia 3 de Novembro, o Cardeal Raymond Burke celebrou uma Missa Pontifical na Basílica da Santíssima Trindade, no Santuário de Fátima. Esta celebração deu-se em virtude da peregrinação do Instituto Cristo Rei Sumo Sacerdote por ocasião do centenário das aparições em Fátima.

A Santa Missa foi belíssima - como se pode ver nas fotografias - e contou com a presença de mais de 4000 fiéis. O Instituto Cristo Rei Sumo Sacerdote, que conta já com vários seminaristas portugueses e brasileiros, celebra exclusivamente a liturgia tradicional.






















blogger

23 comentários:

João Miranda Santos disse...

Este fato vermelho é de uma exoberância vergonhosa.

Anónimo disse...

pois muito bem gostei muito deste belo Carnaval. Como já sei que ninguem vai ler este comentário para alem do dono do blogue fique a saber que esta celebração ofende a Igreja Catolica nos seus pobres ao jeito de Jesus Cristo! uma afronta terem coragem de fazer uma pereginação que contradiz a propria Igreja Catolica! Triste mundo sem fé! triste burguesia que insulta os povos que nada têm! Celebrar a missa de costas para a assembleia como se fossem donos da Eucaristia, mas eu sei que Jesus não se deixou insultar. irei propagar este Carnaval ás multidões que têm a verdadeira fé.

Anónimo disse...

Pois eu não sou dono do blogue, não estive presente nem me parece virei a estar presente num evento do género, mas a que propósito tal agressividade num blogue de temática religiosa?

Desconhecerão termos de maior lisura e serão incapazes de criticar com respeito?

"vergonhosa", "Carnaval", "ofende", "afronta", "burguesia", "insulta", "de costas", "donos", "verdadeira fé"...


Oxalá na comunidade onde vai "propagar" a sua má-vontade haja cristãos de coração puro capazes de lhe pedir que se retire primeiro em oração e humilhe de sentimentos assim contra irmãos na fé, irmãos ordenados, crianças! etc.

É que pelos vistos só o incomoda o vazio sob a roupagem antiquada dos outros, e menos o ódio rigorista que traz no próprio coração.

Anónimo disse...

O verdadeiro "Carnaval" da-se em muitas missas onde se volta as costas a Deus e se insulta a Jesus Cristo com palhaçadas, danças, músicas profanas, distruibição da Sagrada Comunhão como se tratasse só de uma bolacha, etc., etc.!

Anónimo disse...

Carnaval deu se em SP onde levaram a imagem de N sra Aparecida para esta festa profana e tbm junto ao templo pagão aos pés de Buda e a celebração de revolta de Lutero que jaz no inferno,
Fora a hipocrisia reinante no vaticano

Nanda Sesso disse...

Bom. Se esse senhor anônimo que que condenou como sendo uma ofensa aos pobres. Deveria estudar a Tradição da Santa Igreja e saber o que o Próprio São Francisco que foi sempre a favor da pobreza e humildade, mas aos padres e ao Sacrifício da Santa Missa, há de se dar sempre o melhor o mais rico valor.

Lucia disse...

Não são confiáveis! São "católicos" maçons...
https://confraternidadedorosario.blogspot.com.br/2017/06/fatima-finally-truth.html

Anónimo disse...

Esta atual igreja e o carnaval verdadeiro vestindo a fantasia da humildade da falsa modéstia falsa misericórdia com objetivo dos aplausos populistas

Anónimo disse...

Este papado e um verdadeiro carnaval vestindo as fantasias da falsa humildade da falsa misericórdia da falsa modéstia etc...
Esperando os aplausos do príncipe deste mundo.

Antônimo disse...

As fotos são de uma grande beleza rara. E não digam mal do carnaval, uma tradição nossa que faz sentido e onde há uma sujeira mas também beleza. Afinal, trigo e joio sempre andaram junto. Já o Halloween, uma tentativa de imitar o carnaval, é horrível e sem jeito nenhum. Feio, mau.

Kennyel Franco disse...

Interessante ver que os olhos dos fiéis têm se voltado à Tradição da Santa Madre Igreja. Essas pessoas que criticam este precioso tesouro se baseiam em ideias anti-católicas e acham que são os verdadeiros fiéis, sendo que não conhecem a história da Igreja e não sabem que este precioso tesouro, que é a Sagrada Tradição, nos torna o que somos hoje.
Longa vida ao Cardeal Burke! Longa vida aos religiosos do Instituto Cristo Rei! Que viva a Tradição! Que viva a Liturgia! Que viva a Santa Romana Igreja!

Pedro Pulquério Vieira disse...

Apenas queria dizer que a crítica a estar de costas para a assembleia é estranha. Nunca participei numa missa tridentina. Mas o que vejo é louvor a Cristo. Não estão de costas para a assembleia. Estão, com a assembleia, virados para Quem de direito. Penso que será difícil um padre chegar atrasado à celebração e entrar a correr pela igreja. A preparação fará parte. Acho realmente bonito. Detestável acho é que se goze com a devoção de tantos.

Gustavo Moreira Reis disse...

Senhor João, por favor, mantenha-se de boca fechada, para que nela não entrem as moscas do Inferno!

Anónimo disse...

A roupa do Cardeal ofende Jesus nos seus pobres... Já o pólo Lacoste, o sapato de vela, Jean Levi's dos padres modernaços a fumar Marlboro, isso já é do Evangelho dos pobres. Contando que não usem batina, esse símbolo de vaidade. Ser pelos pobres é andar na moda. Não esquecer relógio Rolex

Anónimo disse...

Esta não é a Igreja de Jesus Cristo! Esta não é a imagem do nosso senhor Jesus Cristo, pobre de meios, rico de misericórdia.

Pobre dia e pobre permissão desta deturpação da mensagem do nosso Cristo.

Marcello Anthony Giacomini disse...

Quão ridículos, tolos, deprimentes e insensatos são os cometários desses boçais que dizem "isso não é o Cristo", "isso ofende aos pobres" e outros jargões revolucionários! Sim, aí está o Cristo, verdadeiramente presente, no Ritual da Missa que foi feita pela ação direta do Espírito Santo, não o Novus Ordo, trabalho das débeis mãos humanas. São João Batista advertia, "arrependei-vos, pois o Reino dos Céus tem se aproximado", Nosso Senhor Jesus Cristo, depois de ressuscitado passou 40 dias conversando com os Apóstolos sobre o "Reino de Deus", que Reino é esse? Esse Reino é a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, o Reino de Deus na Terra! Seria o Reino de Deus um lugar de misérias? De simplicidade? O culto é prestado a Divina Majestade, que se faz presente! É uma obrigação tudo ser belo, o lugar, os paramentos, o Rito, as vestes dos que assistem. Vocês, amantes da Teologia da Libertação, discípulos de Judas Iscariotes, escravos de Satanás, não conseguem entender isso porque na "missa" de vocês se celebra o Homem, se cultua o Homem, e para o Homem não se requer tanta pompa. Mas os Católicos adoram a Santíssima Trindade, Nosso Senhor Jesus Cristo Sacramentado, e de quebra ainda honram a Gloriosa e Beatíssima Sempre Virgem Maria, Mãe de Deus e Rainha Nossa! Para Esses, toda a honra e toda a glória que podemos dar, ainda é pouca! Viva a Santa Madre Igreja que, qual Corpo Místico de Cristo, tem sofrido nesse seu Calvário que se chama Concílio Vaticano II! Viva o Excelentíssimo e Reverendíssimo Cardeal da Santa Romana Igreja, dom Raymond Leo Cardeal Burke! Que posso o Imaculado Coração de Maria triunfar desde já na vida da Igreja e no futuro no mundo inteiro! Viva Cristo Rei!

Anónimo disse...

“E Herodes, com os seus soldados, desprezou-O, e, escarnecendo Dele, vestiu-O de um manto esplêndido, e tornou a enviá-Lo a Pilatos” (Lc 23.11).

Nosso Senhor Jesus Cristo foi vestido com roupas esplêndidas pela zombaria de Herodes, rei da Judéia. De igual modo, zombam do cardeal agora os que não o querem vestido como o Cristo. Os que querem ver Jesus despido de suas roupas porque não acreditam realmente na Sua divindade.

Domingos disse...

Por que não te calas, comunista? Estais se achando o santo da pobreza? O libertador dos pobres e oprimidos, atacando o que tem de mais sagrado?
Do altar de Deus para o altar dos pobres!

Anónimo disse...

Belíssimo.. Obrigado dom Marcel Lefebvre e a atual administração da Fraternidade São Pio X pela Missa de Sempre. Que a Virgem Maria proteja todos aqueles que são fiéis à Tradição católica.

DOM ANTONIO DUARTE disse...

Não sou bispo Romano e para alguns bem bispo,mas este é SÓ um detalhe. Como Bispo católico brasileiro e como parte dos bispos que na ICAB mantém a forma tradicional da missa, embora no vernáculo e com texto próprio, entendo que além das opiniões pessoais no que tanja a sagrada liturgia de tradição católica Latina,é necessário que se resgate com urgência as duas belas expressões que se fazem ver na forma;no rito e nas vestes;se agregue a isso a música é a reverência. A beleza litúrgica em sua glória antecipada do céu que todos almejamos,jamais deveria ser razão de discussões, antes de União. Ha que se diferenciar a liturgia da FÉ prática no âmbito social. A liturgia deve ser o motor motriz de tudo inclusive da ação social. Não ha ofensa aos pobres de Cristo na bela liturgia,antes ha a dignificação dos humildes quando desta forma se lhes antecipa a visão da Glória. Deus abençoe a todos que tem amor pelas coisas do altar. Por ele seremos salvos.

Thiago disse...

Sobre a celebração da Santa Missa no Rito Extraordinário, não há nada a se observar...

Agora sobre a capa, não é para se fazer juízo de quem a usa ou não, até porque quem faz ou deixa de fazer está dentro do seus direitos, já que o seu uso embora não tenha sido abolido também não é normativo aos bispos e cardeais.

Mas para uma análise "justa", precisamos superar a visão "estático-jurídica" e encontrar um equilíbrio que não seja oportunista entre o panliturgismo e a subestimação do culto, entre o progressismo e o conservadorismo.

Quando por ocasião do seu Motu Proprio, "Valde solliciti", o Papa Pio XII ordenou que fosse diminuído o tamanho da cauda da capa, os jornais italianos noticiavam de forma um tanto quanto que sarcástica: "O Papa corta a cauda dos cardeais".
A justificativa do Papa era a de que mais do que por suas procissões com caudatários, os cardeais deveriam ser admirados por sua solicitude para com as necessidades do povo.

A Mediator Dei nos ensina que a "Igreja é um organismo vivo e, por isso, ainda no que diz respeito à sagrada liturgia, firme a integridade de seu ensinamento, cresce e se desenvolve, adaptando-se e conformando-se às circunstâncias e às exigências que se verificam no correr dos tempos".

Se um "símbolo" mais se explica do que se percebe, corremos o risco de tornar a celebração mais moralizante e didática do que celebrativa. O desuso da capa, que nem é propriamente um sinal litúrgico mas sim de jurisdição, não é porque a Igreja assim ordenou, é porque ela olhou para si mesma. Simplesmente o símbolo esvaziou-se do seu significado. Os que detêm o direito de usá-la já não são mais equiparados aos mais altos funcionários do Império como antigamente, e que por isso gozavam por concessão imperial da faculdade de trazer uma calda, como símbolo da realeza, como brilho de uma função e de uma posição na hierarquia.

Se embora ainda estes gozem de uma posição mais alta na hierarquia da Igreja, eles já não são mais representados diante do mundo por sua elegância, poder e prestígio. Então por qual motivo precisam entrar vestido assim para serem publicamente despojados da capa?

Qual seria o tipo de pastor que melhor corresponderia à situação presente e futura da Igreja: os que contraem o cheiro das ovelhas ou os que andam como príncipes?

É difícil imaginar que alguém com sua longa capa magna corra o risco de sujar-se com a lama da estrada, conforme o Papa Francisco apela na Evangelii Gaudium. É difícil enxergarmos aquele compromisso evangelizador que "se move por entre as limitações da linguagem e das circunstâncias. Procura comunicar cada vez melhor a verdade do Evangelho num contexto determinado, sem renunciar à verdade, ao bem e à luz que pode dar quando a perfeição não é possível. Enxergarmos aquele coração missionário que está consciente destas limitações, fazendo-se 'fraco com os fracos (...) e tudo para todos' (1 Cor 9, 22). Um coração que nunca se fecha, nunca se refugia nas próprias seguranças, nunca opta pela rigidez auto-defensiva" (conf.Evangelii Gaudium, n.45).

Eliseu García-Toledo disse...

Sei de fonte segura que a construção da horrenda, progressista e ateia (o arquiteto foi un japonês ateu) Basílica nova custou 52.000.000€...
Quê lhes parece aos senhores inimigos e detratores da Tradição, se este dinheirão se tivesse dado aos pobres? Os senhores são verdadeiros fariseus de nossos dias!

roberto cesar da silva nunes disse...

(o texto corrigido) Além de fariseus impios (sem nenhuma sombra de piedade nem devoção), sicarius linguae. As normas do Missal regulam minuciosamente a ação do Sacerdote em pormenores mínimos que dir-se-iam microscópicos (o mais adequado para um gestual mais digno de todo o corpo e inclusive o olhar). A Sagrada Liturgia que a Santa Madre Igreja pretende celebrar e, sempre que o faz, ardentemente deseja participem vivamente dela os fiéis, é a Liturgia Celeste, da Jerusalém Celeste, da Cidade de Deus. Então, é óbvio, de liturgia nunquam satis. Basta ler o Apocalipse de São João e até mesmo a visão do Profeta Daniel sobre o Filho do Homem. Eu conheço essa gente da teologia da libertação (é uma teodiceia da libertinagem). É a formação que eles receberam e é preciso uma extraordinária graça de Deus para que vejam e amem a verdade. Eles não entendem assim como sempre foi entendido na Igreja. Também na Sagrada Liturgia e nela de maneira eminentemente e principal a pobreza verdadeira é a pobreza espiritual. Caso contrário é não se vê a Deus. A teologia da libertação (teodiceia da libertinagem) é um ácido extremamente corrosivo que o diabo cuspiu na face de NSJC para desfigurar a sua Esposa a Igreja, imagem viva do Deus vivo e verdadeiro. Não é para essa gente da teologia da libertação (teodiceia da libertinagem) que eu escrevo. É para quem entende e sabe que peregrinos neste vale de lágrimas devemos unir a nossa voz à voz dos Anjos e louvar a Deus como ele quer e deve ser louvado em espírito e verdade. Não se trata de uma verdade da nossa cabeça. Não se trata do espírito deste mundo. Deus merece! Quem se atreve a dizer que não? Só a teologia da libertação (teodiceia da libertinagem). O Sacerdote no Sacrossanto Sacrifício da Santa Missa não passa de um reles ministro. O verdadeiro, único e eterno Sacerdote é NSJC. Porém, não é NSJC antes da Paixão, Morte, Ressurreição, Ascensão ao mais alto dos Céus. Não. O Sacerdote que celebra o Sacrossanto Sacrifício da Santa Missa e que se faz presente de maneira altíssima e misteriosa mas tão perfeita e integralmente como está no Céu, com seu Corpo e Sangue e Alma e Divindade, no insondável e divino mistério da Transubstanciação, é NSJC glorioso e triunfante, o invicto e grande vencedor do mundo, do demônio, da carne, do pecado e da morte. Não é NSJC pobre e todo sujo e coberto de escarros que celebra o Sacrossanto Sacrifício da Santa Missa. É NSJC glorioso. Logo, por mais que a Igreja busque de alguma maneira superar-se a si mesma procurando oferecer a Deus, no Espírito Santo, pelas mãos sacrossantas do seu divino Esposo NSJC; é em espírito e verdade que sempre o fez e faz; logo, é com humildade; pois, ela sabe e ela exulta em saber isto: por mais que se esmere batendo todos os recordes da Sagrada Liturgia do seu glorioso passado, a Igreja bem o sabe, e com ela todos nós que in Liturgia nunquam satis. No mais, rezemos pela conversão dos pobres pecadores. Disse Nossa Senhora de Fátima: muitas almas vão para o inferno porque não há quem reze por elas. É evidente que pecar fora do Sacrossanto Sacrifício da Santa Missa é menos grave que pecar dentro do Sacrossanto Sacrifício da Santa Missa. Estaríamos nós em situação infinitamente pior que os adeptos da teologia da libertação (teodiceia da libertinagem) se toda a pompa e solenidade de que fizermos uso para dar a Deus todo o louvor e toda a glória e toda a honra conforme ele quer e manda e deve ser louvado e glorificado e honrado por todos nós; estaríamos em situação mil vezes pior se também formos nós fariseus impios, liturgistas de aparência, midiáticos, teatrais. Deus não merece isso. E quem se atreveria a dizer que merece? Rezemos o Rosário todos os dias. Viva a Santa Mãe Igreja e viva a sua Sagrada Liturgia! Viva NSJC e viva Nossa Senhora Maria Santíssima Sempre Virgem Mãe de Deus e Nossa!